Crimes Contra a Economia Popular: O Crime de pirâmide

Digital, email and content marketing businesswoman in project meeting with colleague for seo trends.

Introdução

Neste artigo, discutiremos um crime específico previsto na Lei 1521 de 1951, conhecido como crime de pirâmide ou ganho ilícito. Este crime é considerado o principal delito aplicado pela legislação brasileira no contexto dos crimes contra a economia popular. Diferente de outros tipos penais revogados por legislações posteriores, o crime de pirâmide continua sendo um tema relevante e merece nossa atenção.

O Crime de Pirâmide

O crime de pirâmide pode ser dividido em duas partes: consumado e tentado. A descrição do tipo penal, conforme o artigo 2º, inciso 9, da Lei 1521 de 1951, é a seguinte: “Obter ou tentar obter ganhos ilícitos em detrimento do povo ou de número indeterminado de pessoas mediante especulações ou processos fraudulentos, como Bola de Neve, cadeias e pichardismo, e quaisquer outros equivalentes.”

Parte Consumada

No caso do crime consumado, é necessário que ocorra a obtenção de ganhos ilícitos em detrimento do povo ou de número indeterminado de pessoas. Nesse sentido, é importante ressaltar que o crime exige a obtenção de um resultado, ou seja, um ganho financeiro. Além disso, a modalidade de fraude utilizada nesse crime é específica, envolvendo especulações ou processos fraudulentos. Esses processos fraudulentos podem ser comparados a esquemas como a Bola de Neve, cadeias e pichardismo.

Parte Tentada

Já no caso do crime tentado, não ocorre a obtenção do ganho ilícito. No entanto, a conduta de iniciar a execução de um processo fraudulento ou especulação também é considerada crime. É importante destacar que, mesmo na tentativa, é necessário haver potencialidade de obtenção do resultado. Caso contrário, configura-se um crime impossível.

Características dos Processos Fraudulentos

Os processos fraudulentos nos crimes de pirâmide caracterizam-se por oferecer ao público a oportunidade de ingressar em associações mediante o pagamento de uma quantia. Esses processos envolvem a junção de pessoas e a promessa de lucros futuros, que dependem do ingresso de novos investidores ou da aquisição de produtos para uso próprio.

Bola de Neve

A Bola de Neve ilude as pessoas com a promessa de ganhar muito dinheiro ao comprar algo de baixo valor, contanto que elas angariem outras pessoas para comprar o mesmo produto. Nesse caso, o valor econômico do produto é baixo, e o ganho está diretamente relacionado ao recrutamento de novos compradores.

Cadeias

No esquema de cadeias, as pessoas entram em uma lista pagando uma quantia para a primeira pessoa da lista. Ao ingressar nesse sistema, elas têm a possibilidade de abrir uma nova lista e assim por diante. Novamente, o valor econômico do produto é baixo, e o ganho está ligado ao recrutamento de novos participantes.

Pichardismo

O pichardismo tem origem no nome de Manuel Severo Pichardo, italiano que aplicava a seguinte fraude: ele prometia o fornecimento de uma determinada quantidade de mercadoria e ganhava dinheiro não apenas com a venda dessa mercadoria, mas também ao trazer novas pessoas e entregar uma quantidade específica desse produto. Assim como nos outros casos, o valor econômico do produto é baixo, e o ganho está relacionado ao recrutamento de pessoas e entrega do produto.

Diferença entre Esquema de Pirâmide e Marketing Multinível

É importante diferenciar o esquema de pirâmide do marketing multinível, pois muitas vezes podem parecer semelhantes. O marketing multinível é um modelo de negócio legal permitido, em que os empreendedores obtêm lucro tanto pela revenda de produtos e serviços quanto pela formação de equipes. A principal diferença é que o marketing multinível atribui valor econômico próprio ao produto, e a remuneração se baseia na receita gerada pelas vendas dos revendedores. Em outras palavras, não se baseia apenas no recrutamento de novas pessoas.

Conflitos com outros Crimes

O crime de pirâmide pode gerar conflitos com outros crimes, como o estelionato e os crimes contra o sistema financeiro nacional. A diferença entre o crime de pirâmide e o estelionato está na modalidade de fraude utilizada. Enquanto o estelionato possui uma fraude genérica, o crime de pirâmide possui uma forma específica de fraude, como os processos fraudulentos mencionados anteriormente. Já em relação aos crimes contra o sistema financeiro nacional, o crime de pirâmide não se enquadra no conceito de instituição financeira, uma vez que não ocorre a efetiva captação de recursos de terceiros.

Conclusão

O crime de pirâmide é uma prática ilícita que visa obter ganhos ilícitos em detrimento do povo ou de um número indeterminado de pessoas. Através de processos fraudulentos, como a Bola de Neve, cadeias e pichardismo, os criminosos prometem lucros futuros baseados no recrutamento de novos participantes e na aquisição de produtos de baixo valor econômico. É importante diferenciar o esquema de pirâmide do marketing multinível, que é um modelo de negócio legal permitido. Além disso, o crime de pirâmide não se enquadra nos crimes contra o sistema financeiro nacional. Portanto, é essencial estar atento a esse tipo de crime e denunciá-lo às autoridades competentes.

Cadastre-se Newsletter

Quer receber notícias e novidades do Blog da Legale? Faça seu cadastro abaixo e fique por dentro das novidades.

🛡️ Seu cadastro são criptografados e protegidos
⚠️ Ao registar-se confirma que aceita os Termos e Condições e Política de Privacidade